Nem sempre se é levado a sério um namoro quando uma pessoa é bem mais nova que a outra. Mas as vezes, as pessoas esquecem que ninguém é igual a ninguém.
Conheci a Julyanna em Março de 2011, através do orkut, em uma brincadeira chamada Fake (onde nos passamos por outras pessoas, um RPG), ela namorava com uma garota que no Fake era minha irmã, nesse caso a July passou a ser minha cunhada. Começamos a conversar, após uma sms que ela me mandou, perguntando o que eu era da Beth. Eu respondi, perguntei de onde ela havia pego meu número e nisso a conversa foi desenrolando, acabamos mudando pro msn e ficamos conversando por horas lá.
Os dias se passavam e eu sentia falta de falar com ela, a Beth começou a ficar com ciúmes e até brigava com nós duas por estarmos tão juntas. Mas o dia que eu percebi que estava sentindo algo por ela, foi quando pedi pra Beth chamar a July no msn e ela havia falado pra Beth que não entraria, mas quando soube que era eu quem estava pedindo, ela entrou na hora e me deu toda a atenção do mundo e nisso fiquei totalmente boba com a presença dela (mesmo que por msn). Nessas conversas, brincadeiras e saudades, trocamos fotos, falávamos pelo celular e pela web. Acabou que um dia descobri que para a minha infelicidade a July além de namorar no Fake, namorava em sua vida real, isso foi o fim pra mim, comecei a chorar e notar que eu realmente estava apaixonada por aquela garota negra, de 20 anos de idade e carioca. Contei para uma amiga minha a história e ela achou um absurdo eu com 15 anos, me apaixonar por uma de 20. Acabei concordando com essa minha amiga, mas infelizmente meu coração mandou eu continuar atrás da minha paixão. Foram três meses de pura angústia, choros, noites em claro e um começo de depressão, e tudo isso porque ela também me queria, mas não sabia como terminar com a namorada dela. Nessa, pedi para ela que não viesse mais para SP me visitar, que ficasse com a namorada e me esquecesse, mas não adiantou, pedi para ela vir de qualquer jeito, para eu pelo menos abraça-la.
Mas foi no dia 3 de Junho, que recebi a melhor notícia da minha vida (além da notícia de eu ter passado em uma entrevista de emprego), ela me contou que a namorada dela da vida real não a queria mais, pois sabia que era eu quem ela preferia e tudo mais. Quando eu ouvi isso, comecei a chorar dentro do metrô, duas colegas minhas viram a minha reação e ao saberem da notícia ficaram felizes por mim.
No dia 23 de Junho, ela veio pra SP e eu fui busca-la na rodoviária, ao vê-la em minha frente, meu coração disparou, minhas mãos estavam mega frias e eu fiquei literalmente desnorteada a ponto de não saber como sair da rodoviária Tiête (kkk), chegamos em casa e o clima ficou tenso por conta da minha mãe, que ficou sabendo que eu estava namorando na madrugada da July chegar em casa (mesmo a minha mãe sabendo da minha sexualidade desde Outubro de 2010). July foi bem recebida por todos, mas foi aos poucos que ela conquistou minha família, porém minha mãe chegou a me humilhar algumas vezes na frente dela, tive brigas com ela que a July só não entrou na minha frente por respeito a minha mãe e com medo dela não deixar mais a gente se ver .
Os meses passaram, minha felicidade era completa, porém em julho eu havia visto a Kau, uma menina por quem eu fiquei apaixonada por muito tempo, Julyanna no começo era até um refúgio para eu esquecer a Kau (acabou que deu certo esse refúgio), e ao vê-la e tudo mais acabei ficando confusa pelo que eu realmente queria, quando eu e a July estávamos com 3 meses de namoro eu terminei com ela, isso claro ela estava em SP ainda, porém dormindo na casa de uma amiga nossa, no dia que terminamos ela soube que eu fiquei com uma garota. Foi a minha pior noite, foi o meu pior mês, fiquei com várias meninas e notei que eu realmente amava a July por sentir falta do carinho dela, do beijo dela, da voz dela, de tudo que se referia a minha Julyanna, esqueci as meninas, esqueci a Kau, esqueci meu orgulho e pedi pra ela voltar em Novembro, ela voltou porque havia me prometido essa volta antes da gente terminar. No dia 11 de Novembro, ela chegou em SP, fomos até o Tatuapé e junto com um amigo meu, fomos no Mc Donald’s, enrolei ela e a pedi em namoro na frente de todo mundo (meu amigo deu um berro e todos ficaram nos olhando), ela voltou comigo pra minha sorte, conversamos e decidimos que não iríamos contar o mês de outubro como um término, já que eu mandava sms pra ela todos os dias do mesmo modo que eu fazia no namoro. Hoje noto que foi bom esse término porque descobri a minha certeza para a felicidade.
Eu ainda moro em SP e ela no RJ, estamos atualmente com 11 meses de namoro, eu com 16 anos e ela com 20. E como todo casal, fazendo planos para morarmos juntas e termos filhos, quatro se possível. Queremos também nos casar legalmente assim que for permitido no Brasil.
E eu afirmo que mesmo com as brigas, com um término no começo do namoro, com uma renovação, com preconceito vivenciados, com a saudades, com a distância, com as diferenças de idade, garanto a todos que somos um casal feliz, que sabe se respeitar, que sabe os limites uma da outra, que além de namoradas, somos amigas, companheiras e que por mais que as pessoas não acreditem no amor de pessoas do mesmo sexo, eu Samantha e ela Julyanna, nos amamos incondicionalmente e não queremos mais ninguém, além de uma a outra.

?

Mais sobre as meninas:

No Twitter:     @TLW_69@RAWR_FOUMOIDE  

Nota : O Casal Unicórnio é uma coluna em primeira pessoa para meninas contarem suas próprias histórias de amor e compartilhar experiências unicas.  Mostrando casais que ” a gente já ouviu falar mas não sabe se existe” queremos mostrar que o brejo não é só bagunça, existe por ai muito amor e respeito e que sempre VALE A PENA!
Vem contar sua história pra gente aqui

Quero tudo, e quero agora.👑⚡ Fazendo amor, política e festa em @amoravc_ 💜 Transformando código em poesia na @outsiders.black 👩🏾‍💻

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

TOPO

amora é uma multiplataforma online por e para sapatão: as les, as bi, as cis e trans/nb. Um lugar seguro e saudável pra todes nós.