Muito Mais do que Seus Preconceitos – 27 Mulheres Trans* que você precisa conhecer

  • O True Love sempre teve uma lista de motivos para alguma coisa positiva, listas para admirar, para amar, para se orgulhar, para participar. Nesta semana de blogagem coletiva pela Visibilidade Trans*  não poderia ser diferente.  Em 2013   Jen Richards, da We Happy Trans   e  Antonia D’Orsay, Diretora Executiva da  This Is H.O.W criaram The 2013 Trans 100 , a idéia era proporcionar “uma visão geral da amplitude e diversidade de trabalho que está sendo feito em, por e para o comunidade transexual nos Estados Unidos. ” O dialogo e a representação das pessoas trans * culturalmente fica entre o ” inexistente ” pontuado por incursões na ” tragédia “, mas Richards e D’Orsay queriam mudar essa conversa para as realizações e a força dos indivíduos dentro da comunidade trans *.

    De mais de 500 indicações, 100 pessoas foram escolhidas e a lista foi anunciada em um evento patrocinado pela House of Chicago , GLAAD , a Fundação Pierce Family, Orbitz.com e KOKUMOMEDIA; com Janet Mock , Dra.Kortney Ryan Ziegler , as músicistas Namoli Brennet e Joe Stevens , performer / ativista Kokumo e a  produtar Jen Richards.

    “O valor do trabalho que é representado pelas 100 pessoas nesta lista é imensurável. Essas pessoas demonstram a diversidade, a determinação, e  o incrível triunfo do espírito que informa todas as pessoas trans, não importa onde elas estão. Este é apenas um vislumbre do que as pessoas trans pode realizar. “

    Antonia D’Orsay, sobre o Trans 100

    Aqui no Brasil ainda não temos uma lista desta produzida por grandes grupos de mídia, devido a imensa dificuldade de toda a comunidade Trans* de ter seus direitos básicos garantidos, devido ao imenso preconceito, devido a violência. Que nos próximos anos tenhamos capacidade de rever nossos conceitos, nossos privilégios, particularmente eu poderia fazer uma lista de homens e mulheres trans* com trabalhos incríveis, certamente apareceriam nesta lista Hailey Kaas, João Nery, Daniela Andrade e muitos outros. Precisamos que este reconhecimento venha de outras instituições, precisamos que mais pessoas trans apareçam na mídia, precisamos de um movimento lgbt que reconheça cada uma das letras que representa e suas particularidades.

    Pessoas trans* são apenas pessoas, com capacidades, talentos, criatividade, e uma infinidade de coisas boas que os preconceitos apagam e a intolerância esconde.

    Para fechar a semana de visibilidade Tran* não queremos lembrar da imensa mancha de sangue que marcou mais um ano, não queremos dar mais espaço para os intolerantes, para quem distorce teorias, tendencias e ideologias em nome do ódio, hoje queremos celebrar a vida de cada uma dessas pessoas que matam um leão por dia e são sobreviventes numa sociedade machista, racista, classista, homo e transfóbica.

    Por mais listas de talento e amor e menos transfobia.

    São 51 mulheres Trans* presentes na lista, conheça mais sobre 27 delas e saiba porque você deve saber mais sobre elas.

    Abigail Jensen

    Tucson, AZ

    Website: Arizona AbbyArizona Abby

    • Presidente da QSquaredYouth

    • Primeira advogada transexual a comparecer perante o Supremo Tribunal Arizona

    “… A maior parte [do meu advogar] assume a forma de simplesmente ser quem eu sou, uma mulher de integridade e graça que vive em paz consigo mesma, permitindo que outros possam ver e aprender sobre quem eu sou e, nesse processo, possam ver que as pessoas trans* não são ameaça para eles e, assim, construir a tolerância e a aceitação de quem somos. “

    via who i am and why i do what i do

    Alexis Martinez

    Chicago, IL

    Leia sua história de vida: The Transgender History Project

    • Cristã Evangélica, Mexicana, Apache, Lésbica

    • Ativista na luta por emprego , habitação, educação e saúde de qualidade

    • Núcleo organizador da Dyke March Chicago

    “Jesus cercou-se de todo o tipo de pessoa que se possa imaginar. Ele não diria às pessoas que você só poderia estar aqui se você não tivesse quaisquer falhas. Eu realmente não olho para uma pessoa e digo que não podemos incluí-la aqui porque você não acredita que eu acredito ou você tem um cheiro engraçado. Todos nós temos algo que podemos contribuir. Algo que podemos colocar no pote. É difícil entender essa idéia, porque você está lidando com seres humanos reais, seus egos e tudo. Há um monte de gente, eu estou falando de pessoas realmente brilhantes que cresceram em famílias da igreja e foram evisceradas psicologicamente nessas igrejas porque as pessoas torcem o que Deus diz. Torcem para que se ajuste a sua definição. “

    via Transgender Oral History

    Allyson Robinson

    Website: Crossing the T

    • Graduada em West Point em 1994, serviu como oficial na Europa e no Oriente Médio antes de deixar o Exército dos EUA em 1999

    • Primeira Diretora Executiva da OutServe-SLDN e a primeira pessoa transexual a liderar uma organização nacional de direitos LGBT, sem um foco explícito em questões transexuais.

    • O ex-vice-diretora de programas para funcionários da Fundação HRC.

    • Conselheira de Administração para a Fundação Internacional de Gênero e Educação e da Knights Out.

    “Muitas pessoas pensam que porque foi revogada a “Não Pergunte, Não Diga “, nosso trabalho terminou. Eu não acho que é o caso.Acho que estamos no fim do começo, e não o começo do fim do trabalho que precisamos fazer para tornar o exército, que é o maior empregador nos Estados Unidos, um local de trabalho verdadeiramente justo para as pessoas LGBT. “

    (via metroweekly)

    Anna Anthropy

    Website: Auntie Pixelante

    “Nós entramos neste ciclo vicioso onde este pequeno grupo de meninos brancos principalmente hétero e cisgênero estão fazendo jogos para outros meninos brancos cis héteros que vão crescer e ser autorizados a fazer a próxima geração de jogos. E assim, o que temos é uma monocultura. Bem, uma monocultura não vai ser a forma cultural que define nada “.

    (via Anna Anthropy: The Autostraddle Interview)

    Andy Marra

    Nova Iorque, NY

    Website: GLSEN

    • Gerente de Relações Públicas para GLSEN

    • A mais jovem líder a co-dirigir a New York State Dignity For All Students Coalition

    • Tornou-se Presidente do Conselho para o Centro Nacional de Igualdade Transgenero com 20 anos

    • Estrategista Sênior de Mídia para GLAAD (The Gay & Lesbian Alliance Against Defamation),onde ela estabeleceu três programas voltados para a comunidade asiática das Ilhas do Pacífico, mídia de língua chinesa e jovens adultos.

    • Liderou o boicote nascional contra a peça “Gay ou asiático?”

    • Seu Trabalho e comentários tem sido destaque em programas, incluindo Access Hollywood, Ellen, Oprah e The Rachel Maddow Show e em orgão da imprensa como The New York Times, The Los Angeles Times, The Wall Street Journal, Politico, The Korea Times e MTV.

    via i am korean american

    “Por que eu me preocupo com a reunificação coreana? Ou mesmo sobre plena igualdade para as pessoas LGBT? Como Martin Luther King Jr. disse uma vez: “O que quer que diretamente a um, afeta a todos indiretamente. Eu nunca posso ser o que deveria ser até que você seja o que você deveria ser. Esta é a estrutura inter-relacionados da realidade. “Eu não sou um enigma nem sou desafiado. Eu simplesmente ouso ser. “

    via I Am Korean American

    Bamby Salcedo

    Los Angeles, CA

    • Chefe de Educação em Saúde e Serviços de Prevenção ao HIV  do Hospital Infantil de Los Angeles

    • Presidente e fundadora da TransLatin@ Coalition

    • Editora da XQsi Magazine.

    via learning trans

    “Meu único conselho [para transexuais jovens] é reconhecer que, como uma comunidade somos muito fortes, e como indivíduos, também somos muito fortes. Não perca a sua força, não deixe ninguém lhe dizer que você não pode ser quem você quer ser. Contanto que você siga o seu coração, contanto que você não prejudique a si mesmo ou qualquer um em seu processo, o que quer que isso possa ser … entenda que como um indivíduo você é único, e sua singularidade é o que garante o seu lugar neste mundo. “

    via Latina Transgender Advocate Bamby Salcedo on Youth and HIV/AIDS Prevention and Education

    Bree Sutherland

    Missoula, MT

    Website: MontanaTDOR

    • Estrela do documentário Just Bree , por Kate Lykins

    • Diretora Executiva do Gender Expansion Project

    • Co-criadora do Western Montana Community Center

    • Vice-presidente da Montana Pride Network

    • Facilitadora da Montana Gender Alliance in Missoula

    via dokumentarian

    Cecilia Chung

    San Francisco, CA

    Web: Cecilia Chung // Just Detention

    • Líder internacionalmente reconhecida na área da saúde e os direitos humanos e defensora da conscientização sobre o HIV / AIDS.

    • Advogou no Transgender Discrimination Task Force em 1994, quando a Comissão de Direitos Humanos construiu seu relatório sobre a discriminação de transsexuais.

    • Primeira mulher transgênero e primeira asiática eleita para liderar o Borad of Directors da  The San Francisco LGBT Pride Celebration

    • Primeira mulher transexual e primeira pessoa vivendo abertamente com o HIV a presidir Comissão de Direitos Humanos de São Francisco

    • Serviu na Health Commission of the San Francisco Public Health defendendo a inclusão da cirurgia de afirmação de gênero.

    • Fundou a San Francisco Transgender Advocacy and Mentorship, que organiza eventos trimestrais no Centro Comunitário SF LGBT

    • Uma das fundadoras originais e produtora da Marcha Trans ( anual).

    via sf portão

    “Nós, como pessoas trans, somos um grupo muito pequeno. Precisamos construir alianças e coalizões com grupos marginalizados e oprimidos, a fim de sermos ouvidos. Fazer este tipo de trabalho é um componente importante . Eu acho que esta é a melhor maneira de lutar a nossa luta, porque em troca quando olhamos para nossos parceiros, como ENDA, somos capazes de contar com eles para nos apoiar em nossos problemas ao invés de sentirmos que estamos sozinhos nisso. “

    (via huffington post)

    via sf gate

    Channyn Lynne Parker

    Chicago, IL

    Website: Chicago House

    • Coordenadora responsavel pelo TransLife Project na  Chicago House.

    via facebook

    Christina Kahrl

    Chicago, IL

    • Co-fundadora e ex-editora-chefe do site Baseball Prospectus

    • Escritora e editora da ESPN.com

    • Ganhou o  GLAAD Award com Real Sports HBO “Transitions”, que contou sua história publicamente como uma jornalista esportiva transgênero.

    • Diretora Conselheira na Equality Illinois, ajudou a lançar a Iniciativa  Trans-Friendly Bathroom.

    via baseball prospectus

    “Talvez a coisa mais importante para associar com a palavra” transexual “é que somos poucos, felizmente estes poucos, apenas um em cada 10 mil nascimentos, sempre estiveram aqui. Rainhas eram as tropas de choque, a linha de frente em Stonewall. Você pode não saber de nós, mas nós somos apenas como você na maioria dos nossos sonhos e ambições, esperando a vida, a liberdade e a busca da felicidade, como é nosso direito inato, como americanos, e como seres humanos. Não há um estigma no rotulo, eu sou uma transexual, e serei, enquanto eu viver. Como um rótulos, eu não apenas o uso, eu sou. “

    (via facebook)

    Cristina Herrera

    Nova Iorque, NY

    Website: The Center

    • Se Identifica como “uma imigrante Translatina de El Salvador.”

    • Coordenadora do Gender Identity Project‘s  no Centro Comunitário LGBT  em Nova York

    • Atuou como Presidente do Transgender Work Group e do Department of Health’s Prevention Planning Group

    • “Trabalha em campo na prevenção do HIV, promoção e organização da comunidade por mais de doze anos.” ( via )

    • Recebeu o Latinos/as Unidos de New York Award por suas contribuições excepcionais do Latin@ LGBT de Nova York.

    via hwuupdate

    Claire Swinford

    Tucson, Arizona

    Website: Trans Haven

    • Seu projetos incluem temas como cobate ao estupro, anti-violência, prevenção ao HIV,  direitos dos trabalhadores do sexo e as iniciativas de combate ao tráfico, bem como o presente “bathroom bill” no Arizona

    • Diretora da Trans Haven

    via pavement pieces

    Eli Erlick

    San Francisco, CA

    • Fundou o Transgender Student Equality Resources

    • Trans * ativista desde os 8 anos de idade, auxiliando os educadores e administradores escolares para melhorar o suporte a  juventude trans*.

    • Ajudou a criar Coming Together To Make It Better Conference

    • Estudante embaixadora para a GLSEN

    via transstudent

    Earline Budd

    Washington DC

    Website: The Transgender Health Empowerment

    • Membro fundador e ex-diretora executiva do The Transgender Health Empowerment .

    • Consultora no Substance Abuse and Mental Health Services Administration, Pennsylvania Mid-Atlantic Training Center, the D.C. Department of Health e D.C Department of Corrections

    via washington blade

    Ellie June Navidson

    Chicago, IL

    Website: Invisibly Queer

    • A “estranha criatura em não-conformidade de gênero”, cuja “experiência ativista é tão variada quanto a sua identidade.”

    • Escritora no In Our Words

    • Organizadora da Genderqueer Chicago, co-fundadora da No Boys Allowed.

    via invisibly queer

    “Para todas as minhas femmes, você é linda em suas saias , vestidos e jeans de cintura alta. Sua composição é feroz e fabulosa. Suas unhas são divinas. Claro, você não precisa de nada disso, ninguém “precisa” de roupas, mas você com certeza é grande em toda a sua glória femme “.

    uma feminista em Femmephobia eo Empoderamento das Femme

    Harmony Santana

    Website: IMDB page for Harmony Santana

    • Atriz de “Gun Hill Road” e “Eating Out”

    • Vencedora de Melhor Atriz Coadjuvante no Independent Spirit Awards.

    via Zimbio

    “Acabei de receber uma mensagem a dois dias onde uma garota estava me dizendo que eu a inspiro. Ela disse que estava escondida por um longo tempo e não saia a um longo tempo. Ela disse que agora consegue sair da casa de seus pais depois de assistir ao filme. Ela está muito inspirada para ser ela mesma e tão feliz. Faz-me sentir, como, eu não sei … [incrível?] … Sim. “

    via Transgender Atriz Harmony Santana Atordoa em “Gun Hill Road”

    Phyllis Frye

    Houston, TX

    Website: Transgender Legal

    Leia as inovadoras 1.970 documentos de mudar o mundo de Phyllis Frye, como digitalizados e apresentados por você, Cristan Williams

    Leia sua história de vida oral: Houston Biblioteca

    • A ” avó da comunidade Trans . “

    • Primeira Transexual nomeada juiza no Texas.

    • Vencedor do Prêmio Dan Bradley de 2001 pela The Lavender Law e criadora  do Change Award da National Gay and Lesbian Task Force.

    • O ex-oficial militar,  membro do Corpo de Cadetes da Texas A & M University

    • Mudou a lei Houston contra  o crossdressing em 1980, fundou a T ransgender Conferência Direito em 1991

    • Texas A&M criou um Prêmio Diversidade dado em seu nome anualmente desde 2009.

    via the dallas voice

    “Eu quase comecei a chorar, porque me lembrei que 31 anos atras, nessa mesma câmara, eu estava sujeita a prisão.”

    – Phyllis Frye, ao ser nomeada para um banco municipal pelo prefeito de Houston

    Rebecca Kling

    Chicago, IL

    Website: Rebecca Kling

    • Artista e educadora, de “performances multidisciplinares incorporadas a narrativa coloquial, narrativa pessoal, humor, movimento, projeção de vídeo, e muito mais” e “pesquisadora de  gênero e identidade através de peças solo e oficinas educativas.”

    • Autora de No Gender Left Behind.

    via statenews

    “Enquanto outros exploradores se contentam em ignorar rachaduras nas paredes elevando-se sobre as estradas que eles viajam. Ela observa ansiosamente. Ela percebe que a maioria tornaram-se indiferentes – as encantadoras lagoas, aos rios sinuosos e as e florestas misteriosas. Como Ela estuda o deserto sem limites além dos muros Ela começa a entender que as  estradas representam apenas um caminho através da Terra do Gênero – não o único “.

    The Land of Gender

    Reina Gossett

    Brooklyn, NY

    Website: the spirit was

    • Trans ativista e artista

    • Membro diretor do  Sylvia Rivera Law Project.

    • Ex-diretora da Welfare Organizing Project  na Queers For Economic Justice

    • Soros Justice Fellow na Critical Resistance 

    • Escrevendo créditos incluem The Scholar & Feminista on-line e Genders Cativos: Trans Encarnação e do Complexo Prisional industrial

    via we who feel differently

    “Eu estou realmente inspirada por estes momentos históricos em que as pessoas se uniram para transformar frustração ancestral e pessoal em um ato político poderoso; deixando claro as conexões entre angústia e estado de violência , diminuindo círculos de cuidado, de recursos e isolamento; resistência,  silêncio e vergonha, honrando pessoas que passaram o tempo todo aprofundando nossas relações e investindo em nossa própria vida “.

    via The Politics of Gender Self-Determination: More Interviews with Captive Genders contributors

    Rebecca Allison

    Website: DrBecky.com

    • Cardiologista americana

    • Presidente do Comitê Consultivo da American Medical Association’s on LGBT Health.

    • Presidente da Gay and Lesbian Medical Association de 2009-2011.

    via drbecky.com

    “Nós sabemos – somos rotulados com este diagnóstico – sustentam que nossas identidades são fixadas desde a primeira infância, e não muda, apesar dos mais intensos e (às vezes) bem intencionados esforços para modificar a identidade através da mudança de comportamento. Tais esforços têm consistentemente produzido crescente infelicidade ,  incluindo, pensamentos e ações suicidas. A identidade não é o que muda, e a identidade não é desordenada. “

    via Back on the Blog: The APA” Junho de 2009

    Ryka Aoki

    Website: rykaryka.com

    • Escritora, artista e educadora

    • Honrada pelo CA Sate Senate no RADAR’s 2010 Eli Coppola Chapbook Contest.

    • Intrutora Lider de empoderamento LGBT na Supernova Martial Arts.

    • Membro fundador do Transgender Advisory Committee for Asian Pacific Islanders for Human Rights (APHIR).

    • Aparece nas antologias Gender Outlaws: The Next Generation(Seal Press), e Transfeminist Perspectives (Temple University).

    • Performer Inaugural para primeiro San Francisco Transgender Stage , em São Francisco 2005

    • Já se apresentou e falou em festivais , paradas, conferências e universidades de todo o país.

    • Publicou o livro Seasonal Velocities pelo Trans-Genre Press.

    via queer music heritage

    “Este não é um tempo para acertar as contas com o mundo, ou derrubá-lo. Este é um momento para liderar. Para o mundo a funcionar melhor para todos nós. O mundo precisa de você, em toda a sua glória queer, para ajudá-lo a encontrar o seu caminho. Possua o sistema. Redefina o sistema. Oriente o sistema. “

    Cal Poly Pomona’s Lavender Graduation address

    Rubi Corado

    Washington DC

    Website: Casaruby.org

    • Fundadora da Casa Ruby LGBT Center , um centro comunitário sem fins lucrativos para pessoas LGBT  e queer em Washington DC.

    • Advogou contra a discriminação e os crimes de ódio, nos últimos quinze anos.

    • Trabalhou para garantir proteções legais e políticas para as pessoas transexuais em Washington DC

    Rally For Trans Health Equality // photo via DC Trans Coalition Facebook © 2013, Shannon E. Wyss, All Rights Reserved

    “Esta bela, maravilhosa, incrivel pessoa que eu estava me tornando não era para ser pública. E porque eu estava trazendo-a para fora em público, as pessoas estavam sendo muito crueis. Queria me candidatar a empregos e eles me olhavam de modo engraçado a partir do momento em que entrava pela porta. Realmente, quando eu estava vivendo como uma pessoa gay eu tinha alguns benefícios, mesmo quando eu era super gay. Mas uma vez que eu estava me tornando essa pessoa linda, não havia como voltar atrás. Eu não posso mais ser macho. Eu sou quem eu sou. E é assim que eu me envolvi como uma ativista. “

    via Metro Weekly 

    Sadie Baker

    • “Sobrevivente, (ex-) profissional do sexo, abolicionista , organizadora da comunidade e agitadora anarquista empenhada em construir um poder coletivo, sonhando com um mundo mais livre e desafiando o racismo, (cis) sexismo e assimilação dentro e fora do movimento LGBT.”

    • Trabalhou com a DC Trans CoalitionHIPSOccupy Wall Street and The Broadway Youth Center, em Chicago.

    via the distant panic

    “Este incidente realmente destaca que apesar de alguém enfrentar a homofobia relativa, ainda pode ser transfóbico, cissexista , racista, sexista…. as pessoas LGBQ são muitas vezes  cúmplices do cissexismo e da transfobia. Pessoas trans têm necessidades e experiências específicas que são diferentes, e, a menos que falemos sobre isso, ninguém vai nos entender. “

     via The New Gay

    Tracie O’Brien

    San Francisco, CA

    • Co-fundadora da Transaction (primeiro grupo político, social e transgêneros de San Diego)

    • Trabalha no San Francisco Transgender Law Center

    • O ex-conselheira e coordenadora para extensão de atendimento em  Stepping Stone

    • Atua no The California Transgender Leadership Summit e  no  The Center of Excellence for Transgender HIV Protection

    • Coordenadora do Projeto S.T.A.R. do Centro de Saúde da Família

    via facebook

    “[A comunidade transgênero Afro-Americana] é uma comunidade diversificada e escondida, muitas vezes (forçada) tal. Eu só queria que todos pudessem sentir que são seres humanos seres inteiros maravilhosamente e poderosamente . Com isso, talvez, nós, como comunidade poderíamos aspirar a grandeza “.

    via Transgriot

    Susan Stryker

    Tucson, AZ

    Website: LGBT Arizona

    via evergreen

    “Escutem-me criaturas. Eu que habito em uma forma incompativel com o meu desejo, eu cuja carne tornou-se um conjunto de peças anatômicas incongruentes, eu que alcancei a semelhança de um corpo natural só através de um processo não-natural, ofereço-lhes este aviso: A Natureza atormentar como uma mentira. Não confie nela para para protegê-lo do que eu represento, pois é uma invenção que esconde a falta de fundamento do privilégio você procurar manter à minha custa. Você é tão construída como eu, o útero anárquico pariu a nós dois. Peço-lhe para investigar a sua natureza como tenho sido obrigada a enfrentar a minha. Eu desafio você a arriscar abjeção e florescer, bem como eu. Preste atenção a minhas palavras, e você pode muito bem descobrir as costuras e suturas em si mesmo. “

    “My Words to Victor Frankenstein Above the Village of Chamounix” (1994)

    Trisha Lee Holloway

    Chicago, IL

    via facebook

    Trudy Jackson

    Phoenix, AZ

    • Diretora do concurso indiano de Miss Transgenero.

    • Coordenadora do programas para prevenir problemas de saúde relacionados com o tabagismo em comunidades urbanas de nativos americanos.

    • Membro da Arizona American Indian HIV Task Force, HIV Prevention Planning Group of Arizona, Central Arizona HIV Prevention Advocates and The National Native CPG Network

    • Atua na LGBTQ Health Equity, Native American Outreach For AIDS Walk Phoenix e The Southwest American Indian Rainbow Gathering

    Foto via downtown devil (Evie Carpenter/DD)

    “Há inúmeras questões que afetam as pessoas transexuais em sua vida cotidiana. Um dos problemas mais desafiadores é a é a identidade de gênero. Algumas meninas não sabem como sair de suas famílias, onde vivem reservadamente, a respeito de seu estilo de vida. Quando as meninas vêm para a cidade elas são capazes de ser elas mesmas, em vez de viver no armário. Outra questão é o emprego. Como a maioria das meninas não são capazes de ser elas mesmas no local de trabalho, elas têm que encontrar uma forma alternativa de sobreviver na cidade. Estigma é outro problema que afeta mulheres transexuais já que a maioria da população em geral não está educada sobre pessoas transgênero, elas automaticamente assumem que são “homens em um vestido.”

    via Women Who Kick Ass

    Esse post integra a Blogagem Coletiva pelo dia da Visibilidade Trans*, organizada pelo Transfeminismo em parceria com as Blogueiras Feministas e True Love.

  • Faça um favor, Cale a boca!

    Posted:Thu, 30 Jan 2014 13:30:10 +0000

    Qual é o seu nome de verdade?

    Sei que é óbvio, mas é preciso dizer, o nome de um ser humano nada mais é que a forma da qual, nós referimos a ele, e mais importante que isso, a maneira que eles se vêem, quando se conhece uma pessoa trans* e é feita uma pergunta dessa pode ter certeza você esta sendo um idiota com péssima capacidade de percepção. Constranger um ser humano para satisfazer sua curiosidade é tão medíocre quanto achar que o órgão genital limita a felicidade de uma vida.
    Se alguém chegasse perto de você e perguntasse qual seu nome de verdade? Acredito que pensaria “nossa que idiota meu nome é esse já disse”, pois é. Isso também serve para as mulheres e homens trans *.

    Pauta dois, eles e elas não querem ser chamadas de gostosas por um cara ou até mulher que mal conhecem, não precisam do nosso elogio politicamente correto: nossa você é linda hein? Nem parece trans*, se for para abrir a boca e falar uma coisa dessas faça um favor morra!

    Agora vamos falar de necessidades biológicas. Gente o que vocês fazem no banheiro?
    Serio, sou curiosa para saber, já que isso tem se tornando um dilema na vida de pessoas trans* eu me perguntou qual o motivo de um ser humano ir ao banheiro ? Eu vou até para tirar foto olha só! Apartheid no banheiro? Meu cú né? O banheiro não é um privilegio CIS
    Quanto ao sexo, nossa você é trans? Como que você faz para transar? Nesse momento eu paro e penso… Porra, essa pessoa tem problemas que nem o povo de Deus é capaz de resolver, o que leva uma pessoa a pergunta a outra como é que ela transa: desejo? Burrice? Ameba cerebral? Irei estudar sobre isso.

    E é claro, oi você é trans*? É operada? Quero cotar um segredo para vocês as pessoas trans* fazem operação sim, tiram sinais de nascença, verruga, e o que mais as der vontade, essa pergunta é tão podre que não consigo imaginar o prazer que sua resposta poder trazer a uma pessoa que na maioria das vezes não tem um pingo de intimidade com a outra parte.
    Liberdade para ser feliz não tem nada haver com nosso achismo pessoal, ou crença religiosa, se você quer entregar sua vida pra Gzuis ótimo! Só não vale fazer isso para ter mais tempo para desumanizar da vida dos outros.
    Quando se falar em burlar o sistema, não estamos falando apenas de uma rebeldia com causa, é dignidade.
    Eles e elas não precisam de piedade, favor, elogio exacerbado, são como nós, precisam de igualdade de oportunidade e respeito. O mais importante é que o dia da visibilidade trans* não deve ser uma data no calendário, os direitos dessas pessoas são conquistados diariamente, é uma militância diária.
    PS: Uma menina que já foi transofóbica e não sabia.

     

    Esse post integra a Blogagem Coletiva pelo dia da Visibilidade Trans*, organizada pelo Transfeminismo em parceria com as Blogueiras Feministas e True Love.

Quero tudo, e quero agora.👑⚡ Fazendo amor, política e festa em @amoravc_ 💜 Transformando código em poesia na @outsiders.black 👩🏾‍💻

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TOPO

amora é uma multiplataforma online por e para sapatão: as les, as bi, as cis e trans/nb. Um lugar seguro e saudável pra todes nós.