palestine_holdinghands_blurred-a9b87d9d

Primeiro, você tem que ser convidada. Então você tem que prometer total discrição. Na noite marcada, você chega e a lista está marcada. Se tudo estiver OK, você está dentro

Você de repente entrou um outro mundo. Há dezenas de mulheres dançando, conversando, comendo, bebendo. Elas vêm de diferentes origens, muçulmana, cristã, beduínas, drusas, mas elas são unidas, como palestinas e como gays.

Você está finalmente em casa.

Esta é uma festa mensal para as mulheres LGBT realizada pela Aswat, uma organização com mais de dez anos para as mulheres palestinas gays com base no norte da cidade israelense de Haifa, não muito longe da fronteira do Líbano.

“Eu pensei que eu era a única lésbica árabe no mundo. Mesmo quando eu era jovem e eu ouvia sobre lesbianismo, que era, para mim, era uma coisa estranha, algo que não acontecia em nossa sociedade “, diz Inaam de 32 anos, dividindo sua experiencia conosco em uma tarde enquanto estamos sentados no escritório Aswat comendo queijo e  pão drusos com tomate e salada de pepino.

 


Uma visão de Jerusalém (crédito da foto: 365grad)

 

Inaam é de uma cidade no norte de Israel e tem sido um membro da Aswat por sete anos. “Quando ouvi falar da Aswat, fiquei chocada”, diz ela. “Eram então oito mulheres, e eu pensava, ‘Na verdade, há oito mulheres palestinas gays? ‘”

Com o cabelo curto e calças cargo , Inaam seria uma Dike em qualquer lugar do mundo. Ainda assim, mesmo em Haifa, uma cidade conhecida por suas políticas liberais e de cena e artes animada, lar de um punhado de cafés e clubes gay, ela é cautelosa e prefere manter seu sobrenome longe da imprensa. Parece que a libertação sexual aqui é para a maioria de 90 por cento,  judaica em vez da minoria de 10 por cento árabe.

“Eu escolho quando estar fora e quando não”, explica Inaam. “Quando eu vou falar [para grupos], é importante para mim saber quem está vindo, e que de onde eles são , se há alguém que eu conheço é mais assustador para mim.”

Sua amiga * Nora, sorrindo, acende um cigarro e intervem sentada perto da janela, “Este é o processo de palestino de se assumir”.

É aí que reside o problema. Em Israel, um país que se orgulha de ser o destino mais gay-friendly no Oriente Médio, árabes vítimas de discriminação por serem árabes, mas também sofrem em silêncio dentro de suas próprias culturas árabes por ser gay. Adicione-se gênero para essa dualidade já complexa, e você tem … , complicações. Desde a sua criação, Aswat tem enfrentado estas dores de cabeça.

 


As ruas de Belém (crédito da foto: Beatriz Busaniche)

 A maioria dos membros da Aswat, como Inaam e Nora, seriam chamados de “árabes israelenses” pelo governo, uma vez que elas residem dentro das fronteiras atuais de Israel. Mas a Aswat, como uma organização, optou por enfatizar seus vínculos com suas irmãs na Cisjordânia e Gaza, chamando o grupo de  “mulheres gays palestinas.”

Rauda Morcos, um dos membros fundadores da Aswat, resumiu ao jornal Xtra! Canada’s LGBT em 2004.”Somos contra qualquer tipo de rotulo. Eu não quero ser rotulada como um palestino ou como mulher ou como uma lésbica. “

“A sociedade palestina ainda é muito conservadora”, explica Nora, também em seus 30 anos. “Para um grupo LGBT, talvez haja um benefício em estar aqui [em Israel].” Mas os beneficios legais, sancionados pelo governo  não se traduzem necessariamente ao nível da família ou da sociedade.

Nora continua: “Realmente não me ajuda, estar dentro de Israel, porque a sociedade palestina é separada culturalmente da judaica. Vivendo aqui, isso não significa que estamos vivendo uma vida segura. Algumas famílias, se eles sabem de sua filha é lésbica, eles podem matá-la ou abandoná-la. “

Mas essas são as ações de extremistas, e para a maioria dos árabes Inaam e Nora sabem ,que eles representam uma visão de mundo que está longe da realidade. E, tanto Inaam e Nora enfatizam, a vida está ficando melhor para mulheres lésbicas e bissexuais nas sociedades árabes, um desenvolvimento que prontamente creditam ao  trabalho aberto feito pela Aswat e por outros grupos LGBT árabes em toda a região.

 


crédito da foto: Alaaeddin H

 

Inaam se assumiu para a maioria de sua família mais próxima , a quem ela descreve como “tradicional” e não religiosa. “Tem sido um processo longo, mas depois de cinco anos, eu diria que [minha mãe é] me abraça por quem eu sou, porque ela não quer me perder”, diz Inaam. “Para ela, é importante que ninguém mais saiba, a maior parte da família, da sociedade.”

Nora, também discute ser gay com sua família, embora em termos mais teóricos. “Eu tento levantar a questão com os meus pais, no sentido dos direitos humanos”, diz ela. Mas ela se encontrou resultados mistos. “Minha irmã disse: ‘Se eu ouvir falar de você tem algo com uma mulher, nem sequer pense em voltar a esta casa’.”

Por hora, Nora, que é bissexual e divorciada, opta por ficar em silêncio, vendo nenhuma vantagem em sair de sua família, que vive em uma pequena aldeia nos arredores de Haifa.

“Eu não vou dizer a ninguém, porque me divorciar foi algo realmente difícil de fazer. Eu sou vista como uma prostituta, tenho sido vista como tudo que é ruim “, diz ela, acendendo outro cigarro. “Como uma mulher divorciada eu deveria ter voltado a  morar com meus pais. Mas eu não fiz isso. Eu trabalhei duro para ganhar a minha independência financeira. Foi duro, mas valeu a pena. Agora posso viver minha vida do jeito que eu sinto é certa para mim. “

Nora acrescenta, um pouco pesarosamente: “Desejo que chegue o dia em que nós poderemos falar sobre isso livremente, sem restrições, sem limites, sem medos.”

E quando esse dia finalmente acontecer, a Aswat vai jogar fora a sua lista de convidadas fechada e abrirá as portas para a festa. ( aswatgroup.org )

* Nome alterado por solicitação

Quero tudo, e quero agora.👑⚡ Fazendo amor, política e festa em @amoravc_ 💜 Transformando código em poesia na @outsiders.black 👩🏾‍💻

1 Comentário

  • Bom texto, interessante saber que existe amor nesses lugares tão marcado por guerras, a luta dessas mininas seré beeem difícil, mas que continuem lutando para vencer…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TOPO

amora é uma multiplataforma online por e para sapatão: as les, as bi, as cis e trans/nb. Um lugar seguro e saudável pra todes nós.