As categorias definidas pela sigla “LGBT” são muitas vezes vistas como estados exclusivos de ser. Pode-se ser lésbica, gay, bissexual OU trangenero/transexual?—?não há sobreposição.

Está é uma suposição falsa e é perpetuada pela mídia e cinema contemporâneo, onde protagonistas trans*?—?algo bastante raro?—?estão constantemente acompanhados de uma pessoa do sexo “oposto”. Basta pensar em Brandon Teena em Meninos não Choram, ou Café da manhã em Plutão.

Quando foi a ultima vez que você viu um retrato sensível, cheio de nuances de uma pessoa trans* e seu/sua parceiro do mesmo sexo? The L word (e já faz tempo hein) deu um passo em direção a essa relação quando uniu os personagens de Max e Tom. No entanto a abordagem sensacionalista dada a gravidez de Max eliminou a possibilidade de fazer uma verdadeira inclusão trans* na televisão .

O que estas relações invisíveis significam para as pessoas trans* e seus parceiros em potencial na realidade? O ‘cotton ceiling’ (teto de algodão) é uma teoria americana que alguns membros da comunidade trans apresentam para explicar sua posição única. A teoria do “cotton ceiling” trabalha para explicar as experiências que mulheres trans* lésbicas tem com “inclusão social simultânea e exclusão sexual” dentro dos espaços femininos (lembrando de novo que se trata do contexto americano, aqui no Brasil precisamos caminhar muito para assistir mulheres trans* sendo acolhidas em todos os espaços femininos ou feministas).

Em poucas palavras, as mulheres cis (mulheres cuja identidade de gênero corresponde com o sexo a que foram atribuídas ao nascer) podem ser aliadas da comunidade trans dando-lhe voz, mas ainda hesita em considerar as mulheres trans* como parceiras sexuais e românticas viáveis.

Sendo muito clara aqui: o ‘cotton’ refere-se a roupa de baixo, calcinhas. Definitivamente não é a metáfora perfeita, mas não há como negar o fato de que as mulheres lésbicas e bissexuais cis podem ser relutantes em entrar em um relacionamento físico ou romântico com mulheres trans*. A crença de que as mulheres trans* não são ‘mulheres reais’, e , portanto, não desejáveis, que são e prejudiciais, perigosas , se transforma num argumento para policiar sobre de quem, e como, uma pessoa pode se sentir sexualmente atraída por outra.

O assunto é complicado e não é algo que possa ser resolvido de uma hora para outra, pressupõe-se que o principio para uma relação lésbica é que não haja o fator ‘pênis/esperma’ envolvido, do contrário está em um relação hétero, mas no caso de uma relação entre uma mulher lésbica e um homem trans* independente de seus genitais a relação passa imediatamente a ser identificada como hétero (ou muito raramente como uma relação bissexual, dentro da realidade de invisibilidade bi). Porque dois pesos e duas medidas?

Mulheres trans* não têm uma vida fácil, de modo geral. Elas são assassinadas em um ritmo alarmante, especialmente as negras, com a praticamente inexistente cobertura da mídia. Muitas figuras do feminismo têm notoriamente posturas anti-trans, e utilizam do conceito de “cotton ceiling” para serem tranfobicas, alegando que mulheres trans* na verdade são estupradores em potencial infiltrados nos espaços femininos para executar suas estratégias. Então uma pessoa abre mão do privilégio de ser um homem cis, que detêm todos os privilégios do mundo, para sofrer todo o tipo de preconceito e violência possível apenas para conseguir sexo com mulheres (tecnicamente ele já não fazia sexo com mulheres como homem cis?!), será que um estuprador precisaria ou utilizaria realmente de um artificio destes? Um estuprador iria se expor a violência física, verbal, psicológica dado a sua natureza covarde? Faz algum sentido? Eu vejo apenas como a pior teoria da conspiração já cunhada por qualquer pessoa. Definitivamente este não seria o crime perfeito.

Limitar, classificar, rotular uma pessoa Trans* apenas por sua genitália é no minimo raso.

Laverne Cox protagonizou uma das melhores respostas sobre a genitalização de pessoas trans recentemente em uma entrevista para a jornalista Katie Couric que parecia mais interessada na sua genitália do que em qualquer outra coisa.

“Eu sinto que há uma preocupação com isso [a genitália]. A preocupação com o processo de transição e as cirurgias objetifica as pessoas trans. E, então, nós não conseguimos lidar com as experiências de vida dessas pessoas.

A realidade da vida das pessoas trans é que muitas vezes nós somos alvos de violência. Experimentamos uma discriminação desproporcional ao resto da sociedade. A nossa taxa de desemprego é o dobro da média nacional e, se você é uma pessoa trans e negra, essa taxa é quatro vezes a média. A taxa de homicídios também é maior entre as mulheres trans.

Se nos concentrarmos em transição, não realmente começar a falar sobre essas coisas”

Se você lésbica não se atraiu por uma mulher trans* (ou qualquer outra mulher) não se relacione com ela, se você se atraiu, aproveite a vida e ame sem preconceitos. Qualquer sexo sem consentimento é estupro não é necessário que parta de uma pessoa Trans*, este argumento é apenas desonesto, pra dizer o mínimo. Uma mulher trans* é apenas mais uma mulher que pode sim ser lésbica, bissexual ou heterossexual e acredito que a preocupação delas está em ser feliz e sobreviver e não em ser agressoras de mulheres cis. Isto se chama vida. Não devemos tornar os rótulos mais importantes do que nossos desejos, amores e paixões.

Quero tudo, e quero agora.👑⚡ Fazendo amor, política e festa em @amoravc_ 💜 Transformando código em poesia na @outsiders.black 👩🏾‍💻

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TOPO

amora é uma multiplataforma online por e para sapatão: as les, as bi, as cis e trans/nb. Um lugar seguro e saudável pra todes nós.